segunda-feira, 29 de maio de 2017

SINDASP-MG comunica o Governador sobre o rompimento com à SEAP através do Deputado Durval Ângelo



Presidente do SINDASP-MG Adeilton Rocha e o Vice-presidente Wanderson Costa estiveram reunidos, hoje (29.05), com o Deputado Durval Ângelo, líder do governo na Assembleia, para informar sobre o rompimento das negociações com a SEAP e comunicar a insatisfação e indignação da categoria com o atual comando da Secretaria. 

Os representantes sindicais deixaram claro ao parlamentar o retrocesso das pautas que vinham sendo tratadas no Comitê Permanente sob o comando do então Secretário Adjunto Robson Lucas, após a chegada do Chefe de Gabinete Major Edmar. Já se passaram quase 10 meses após a assinatura do Termo de Audiência protocolado no TJMG e nenhum dos itens pontuados foram solucionados pelo Governo: “As pautas não têm sido atendidas e são proteladas o tempo todo. Não vemos nenhum empenho da Secretaria para solucionar estas questões, portanto não há mais nenhum motivo para sentarmos com esta atual gestão da SEAP”, afirmou o Presidente do SINDASP-MG. 

A morosidade é ainda menos justificável considerando que 80% das questões são administrativas e não possuem impacto financeiro algum. Com a chegada do Chefe de Gabinete, a situação que já estava ruim ficou ainda pior. Segundo os representantes do Sindicato, a intransigência da chefia de gabinete tem travado todas as negociações, inclusive as que já estavam acertadas com o ex-Secretário Adjunto. Tudo que o Comitê resolvia era inviabilizado pelo Major, como foi o caso da Lei Orgânica e das Carteiras Funcionais que, segundo o militar, são questões de governo e não de classe e não seriam discutidas com a categoria. 

Cansado de ver que todas suas decisões acordadas com as entidades de classe eram barradas pelo Chefe de Gabinete, Dr. Robson pediu exoneração do cargo. Este foi o estopim para que o Sindicato rompesse de vez com a SEAP.

Para agravar ainda mais descrédito do Major, o mesmo autorizou o procedimento realizado na última semana no Ceresp Gameleira, onde a PM tomou conta da unidade em uma operação que demonstrou total desrespeito aos Servidores do Sistema Prisional. Uma ação totalmente arbitrária, com o único objetivo de desmoralizar a categoria, sobre a qual nem mesmo o coordenador do grupo de monitoração e fiscalização do Sistema Prisional mineiro, Juiz Wagner Cavalieri, e outras autoridades judiciárias e do MP foram informados.

Diante do exposto, os representantes do SINDASP-MG solicitaram ao parlamentar que repassasse esta situação e este sentimento ao Governador para que o mesmo tome alguma medida urgente.

Agentes prisionais impedem entrada de celulares no presídio Alvorada



Seis aparelhos de telefone celular e sete baterias foram apreendidos, no sábado (27), por agentes penitenciários no presídio Alvorada, em Montes Claros. De acordo com os agentes responsáveis pelo flagrante, uma varredura de rotina era feita do lado de fora da unidade. Enquanto vasculhavam a muralha, os agentes escutaram um barulho suspeito, vindo de uma das ruas laterais. A equipe C do turno passou a averiguar a situação e encontrou, já sobre um telhado do presídio, uma espécie de bola de espuma, dentro da qual estavam os objetos.
Segundo os agentes, se chegassem a ser resgatados por detentos, os aparelhos possivelmente seria comercializados na unidade e já teriam ‘destinatário’ pré-definido. O homem que arremessou os celulares chegou a ser visto fugindo, porém, não foi identificado e encontrado. Os objetos, parte deles danificados e quebrados, foram entregues ao delegado de plantão. A suspeita é que os aparelhos sejam roubados.

Fonte: http://www.gazetanortemineira.com.br/noticias/seguranca-publica/agentes-prisionais-impedem-entrada-de-celulares-no-presidio-alvorada

Agentes Penitenciários apreendem "DRONE" no Presídio Regional de Montes Claros


Crise institucional provoca a saída do Secretário Adjunto

Resultado de imagem para crise

O governo prefere virar a página, mas as constantes brigas internas entre o Chefe de Gabinete Major Edmar e o ex-Secretário Adjunto, Robson Lucas foi estopim para o pedido de exoneração do AGE.

Os ânimos acirraram-se quando o Dr. Robson se posicionou contrário quanto a forma de condução das negociações com as entidades de classe.

Contrário à posição do militar, que insistia veementemente em trazer coisa pronta para a mesa de discussão com as entidades, o Dr. Robson começou a incomodar quando sugeria a participação da parte interessada.

Entenda o caso:

O Chefe de Gabinete, Major Edmar, criou uma série de protocolos militares na pasta, dentre eles, limites de acesso aos assuntos interesses da classe, como a Lei Orgânica e a Identidade Funcional. Para o militar esses assuntos são de governo e não de classe - posição clara na penúltima reunião do Comitê.

Conduzindo a pasta na clássica visão militar, onde "praça é praça e oficial é oficial", "limitando o convívio em alojamentos diferenciados", alicerçado no categórico CUMPRA-SE, o Chefe de Gabinete com plenos poderes cansou o ex-Secretário Adjunto.

Com o a saída do Dr. Robson o caminho está livre para o militar. Certamente os nossos pleitos encontrará barreiras e muita procrastinação.

A quem interessa um Sistema Prisional forte?

Historicamente nunca vimos um oficial da ativa encabeçando pleito de agente penitenciário, pelo contrário, o militar Chefe de Gabinete pregador da valorização em nome do Secretário, engavetou a nossa Lei Orgânica e desconfigurou a nossa Identidade Funcional.

Por essas razões o Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciários não aceitará interlocução do senhor Major Edmar nos assuntos referentes a pauta de reivindicações da categoria. Nesse mesmo entendimento, buscaremos a intervenção do Governo nos impasses trazidos pelo Chefe de Gabinete da SEAP.

Adeilton de Souza Rocha
Presidente
Resultado de imagem para sindasp mg

OPERAÇÃO PENTE FINO NO CERESP DA GAMELEIRA PELO MPMG. SERIA AMADORISMO OU JOGADA POLÍTICA?

        

Habitualmente assistimos nos noticiários e matérias em vários portais de noticias, operações conjuntas do Ministério Publico Federal junto a Policia Federal em Curitiba e no Brasil sob a autorização do Juiz Sergio Moro, conhecidas mais como desmembramentos da OPERAÇÃO LAVA JATO. Mas o que se tem em comparação a operação executada no CERESP  DA GAMELEIRA e as ocorridas na LAVA JATO? Vejamos: o rito principal “inteligência”, isso mesmo, nas operação coordenadas pelos procuradores de Curitiba, trabalharam com informações consistentes, alvos certeiros, materialidade de fato do delito cometido, enfim não denegriram instituição e sim os que realmente cometeram crimes e o que assistimos no dia 25 de maio de 2017, na Operação Conjunta do Ministério Público de Minas Gerais, foi uma generalização total de uma classe trabalhadora que infelizmente com já se torna estereotipo de alguns, digo de alguns promotores de Direitos Humanos que todo Agente de Segurança Penitenciário é um “BANDIDO TORTURADOR”, sem analisar o real potencial deste profissionais, que no dia-a-dia, além de manter a ordem e disciplina nas unidades prisionais também ressocializa senhores promotores, mas voltado ao antigo pensamento de para algubs o Agente Penitenciário é UM CAPITÃO DO MATO (pretendiam impedir fugas das fazendas e também impor o medo nos escravos caso tivessem interesse em fugir de seus cativeiros.), por isso tem que se expedir mandado coletivo de busca e apreensão, pois a sociedade não vai se importar, somos promotores de Direitos Humanos. Mas eu indago algumas  perguntas, depois de uma desastrosa operação utilizando um forte aparato da nossa tão respeitosa e profissional que se destaca muitos anos pela sua atuação profissional e comprometida com a sociedade mineira, a POLICIA MILITAR, que estava cumprindo ordens, claro “ordens judiciais não se discute se cumpre”, falas de grandes juristas brasileiros. Faço poucos questionamentos vitais e obvios para profissionais atuantes no âmbito dos Direitos Humanos, que talvez não terei respostas e muito menos outros Agentes:
Policiais na entrada do Ceresp Gameleira, na Região Oeste de Belo Horizonte (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press

1º - Teria o Ministério Publico, buscado informações com a própria da SEAP em conjunto com a Corregedoria, inteligência Priasional e em conjunto com a da Policia Civil e também da Policia Militar para verificar quem realmente são os Agentes de Segurança Penitenciários que estariam executando crimes no CERESP da GAMELEIRA ou seria menos trabalhoso e viável generalizar todos os profissionais que prestam serviços nesta Unidade Prisional? Já pensou se isso vira moda??? Vai ter muitas unidades com intervenção parecidas então?
2º - Haveria realmente somente o interesse em prender Agentes que estariam cometendo desvios de conduta ou na realidade “CHAMAR ATENÇÃO DA IMPRENSA E DO PAÍS” da desorganização de uma segunda maior força de segurança do Estado de Minas Gerais, isso em números estamos apenas atrás da Policia Militar. Seria um intuito interno de alguém ou de um pequeno grupo na Cúpula da SEAP, já que dias antes foi pedido a demissão do Secretário Adjunto, Dr. Robson Lucas da Silva sem explicação para a classe profissional que o tanto respeita e tem conhecimento de sua busca pela humanização e qualificação junto ao Secretario o Dr. Francisco Kupidlowski, que em áudio circulados nos grupos sociais versando a humanização e qualificação do Agente de Segurança Prisional, que sempre demonstrou atenção para nossa classe, assim como seu subsecretario Dr. Washington Clark, a subsecretária de Humanização do Atendimento, Emília Castilho; o subsecretário de Gestão Administrativa, Logística e Tecnologia, Wilson Gomes e a corregedora da SEAP, Katiúscia Fernandes e não esquecer claro da nossa Superintendente de Segurança Dra. SARA SIMÔES, que veementemente tema atuado de forma profissional e dedicação pessoal, porque digo dedicação pessoal? Quando atendido com muita atenção e respeito em seu gabinete, ela me disse uma frase que me trouxe muita satisfação e nunca teria escutado de muitos em seu patamar dentro da alta cúpula da SEAP, tais falas foi:  “Sei do que se passa num pavilhão de presídio, e reconheço as dificuldades e estarei buscando o melhor nesta nova pasta para melhorar a vida dos nossos colegas de trabalho. Estou como Superintendente, mas sou Agente de Segurança Penitenciaria”.
         3a - Tratar com dignidade, respeito, defender a ampla e contraditória defesa do cidadão brasileiro seria atos de DIREITOS HUMANOS, defenda também senhores promotores os direitos dos Agentes Penitenciários trabalhadores e não nos generalizem com o pensamento condenatória sem avaliar as consequências que pode gerar uma operação orquestrada para a imprensa geral. Queremos respeito e isso é o principal papel de uma instituição que defende legalmente a imparcialidade e dignidade humana, senhores promotores de Direitos Humanos. 
Entretanto me pergunto caros colegas com toda essa equipe que citei que compõem a SEAP, onde estamos vendo atitudes dignas de uma verdadeira limpeza no sistema nas publicações no próprio IOF,  de portarias de investigações coordenados pela Dra Corregedora e exonerações de gestores ditadores, como vimos recentemente esta semana, em qual seria o verdadeiro interesse dos olofotes da imprensa ao fazer aquela palhaçada no dia 25?
A quem interessa denegrir não somente a imagem dos Agentes de Segurança Penitenciário generalizadamente não buscando de forma imparcial e profissional os verdadeiros profissionais com desvios de conduta como toda corporação policial faz? Seria uma manobram de algum ou de alguns de dentro do próprio gabinete da SEAP, com o intuito de alegar que estes profissionais citados que orquestram profissionalmente suas atribuições, parecendo nesta atitude do ultimo dia 25, que não tem capacidade de gerir a nova Secretaria de Administração Prisional, cito como exemplo a busca por atenção de alguns no fato que ocorreu  num debate tão banal que foi a confecção da nova identidade funcional, onde um assessor gerou polêmicas de toda forma indo contra um colegiado,  procurando afrontar em todo momento? Será que busca-se militarizar a alta Cúpula da SEAP? Eis uma pergunta que não se cala.
         Termino dizendo uma frase da musica "Cuidado do Frejat, da banda Barão Vermelho”:
Com quem você anda?
Com quem você vive?
Com quem você fica?
Com quem você se envolve?

Cuidado
Cuidado
Se não você dança (2x)

Cuidado

FONTE: http://brunotomg.blogspot.com.br/2017/05/operacao-pente-fino-no-ceresp-da.html?m=1

domingo, 28 de maio de 2017

AGENTES REVISTAM A GAMELEIRA E ENCONTRAM DROGAS UM DIA APÓS PM EXECUTAR OPERAÇÃO CINEMATOGRÁFICA, EM MG

A imagem pode conter: comida

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Agentes Penitenciários realizaram operação bem planejada e executada, resultando em grande apreensão de drogas (8 Kg), celulares e armas no presídio CERESP GAMELEIRA hoje 27/05.
Um dia antes, a PM realizou uma operação que gerou revolta no Sistema Prisional de Minas Gerais, onde juízes e promotores da região metropolitana afirmaram que nem sabiam da operação arquitetada pelo MP e PM.
Hoje, em forma de protesto e na intenção de mostrar QUEM MANDA na unidade e QUEM REALMENTE SABE trabalhar neste ambiente, os agentes penitenciários montaram uma força tarefa e refizeram as revistas.
Isso sim é uma operação bem executada, inteligente e feita por Agentes Penitenciários, profissionais que merecem respeito.

MOBILIZAÇÃO EM RESPOSTA A OPERAÇÃO DA PM NA GAMELEIRA 30/05, ÀS 9h e 30mim - TERÇA-FEIRA