quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Requerimento protocolado pelo Deputado Federal Jair Bolsamaro e seu filho Deputado Federal Eduardo Bolsamaro em apoio à PEC 308/04 criação da Polícia Penal

terça-feira, 23 de agosto de 2016

UBERLÂNDIA - TEM PROJETOS POLÍTICOS PARA O SISTEMA PRISIONAL

MONTES CLAROS - POLÍTICA A MIL POR HORA!

PROPOSTA DE ASSISTÊNCIA AOS SERVIDORES PRISIONAIS E SOCIOEDUCATIVO DESPERTA ATENÇÃO DA CATEGORIA



SAÚDE É COISA PARA NÓS OPERADORES DO SISTEMA PRISIONAL E SOCIOEDUCATIVO - PRECISAMOS DE PROJETOS NAS ÁREAS CLÍNICAS - CARDIOLÓGICA - PSIQUIÁTRICA - ETC!

GUERREIROS DE MONTES CLAROS EM UBERABA - MOMENTOS DO CFTP 2016

Exaltarei o senhor pois ele tem me exaltado, Deus no comando sempre CFTP 2016


MANDE SUA FOTO PARA DIVULGAÇÃO

POLÍCIA PENAL - NOTÍCIAS

Hoje (23), reuniram-se com o presidente interino da Câmara dos Deputados o deputado federal Lincoln Portela, representantes do Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária de Minas Gerais (SINDASP-MG) e demais representantes de outros 14 estados brasileiros.
Durante a reunião, Lincoln Portela solicitou ao presidente que a PEC 308/2004, que trata da criação da polícia penal, fosse pautada o quanto antes. A solicitação foi acolhida pelo presidente, que irá avaliá-la.
(Fotos: Assessoria de Comunicação e Flávio Soares/Agência Câmara)




Com presença do Judiciário, Prefeito, PCMG, PMMG e SUAPI. Aconteceu a assunção da cadeia pública, que agora Presídio de Várzea Palma. Parabéns ao GIR de Pirapora e Aspens envolvidos na missão!



Créditos: Carlos Adriano

AGENTES PRISIONAIS DE MINAS GERAIS NA LUTA PELA POLÍCIA PENAL

PEC 308 POLÍCIA PENAL!
Força e honra guerreiros


domingo, 21 de agosto de 2016

Desumano: presos vivem nus em meio a fezes e urina “prefiro a pena de morte” disse um deles.


Presos tratados como animais
Questionado sobre a postura do sistema, um dos detentos gritou: “prefiro a pena de morte” segundo testemunhas.
Nem colchão, nem água potável. Um amontoado de 80 homens nus dividindo espaço numa cela com fezes flutuando em poças de água e urina. Entre eles, apenas uma bacia higiênica, esvaziada esporadicamente. Odor insuportável, umidade excessiva, pouca ventilação. Esse foi o cenário com o qual um grupo do Conselho Estadual de Direitos Humanos deparou na Penitenciária de Segurança Máxima Romeu Gonçalves de Abrantes, em João Pessoa (PB), no último dia 28. Mas a violação aos direitos humanos no PB-1, como é mais conhecido o presídio, não parou aí.
Responsáveis por relatar as condições oferecidas pelo estado aos presos, os seis conselheiros – entre eles, a ouvidora de Segurança Pública da Paraíba, uma defensora pública, uma professora universitária e um padre – tiveram prisão anunciada pelo diretor do presídio. Detidos por três horas e ameaçados de serem conduzidos a uma delegacia de polícia, só foram liberados após a intervenção do Ministério Público Estadual, que apontou abuso nas detenções.

Dez dias depois do episódio, o major Sérgio Fonseca de Souza, responsável pelo presídio e pelas prisões, continua na direção do PB-1. Mas sob intenso fogo cruzado.
A Polícia Federal e o Ministério Público Federal abriram inquérito para apurar se ele cometeu os crimes de abuso de autoridade e cárcere privado ao deter os conselheiros. Pressionado, o governador Ricardo Coutinho (PSB), que mantém o major no cargo, criou uma comissão formada por representantes do governo, da sociedade civil e do próprio Conselho, que terá 30 dias para apresentar suas conclusões sobre o episódio. Paralelamente, a Secretaria de Administração Penitenciária abriu uma sindicância interna. Os conselheiros defendem o afastamento de Sérgio Fonseca do comando do presídio até o término das apurações.
Fotos da discórdia

O diretor da penitenciária alega que os conselheiros cometeram uma ilegalidade quando pediram a um presidiário que fotografasse a própria cela, cujo acesso não havia sido liberado aos representantes do Conselho. Um argumento que não se sustenta, segundo o Ministério Público Federal. “Resolução do Conselho Estadual de Polícia Penitenciária impede a entrada de máquina fotográfica e celular em presídios. Mas isso não se aplica ao Conselho Estadual de Direitos Humanos. Sem fotografar, não há como fazer qualquer relatório que seja. Temos sempre de ter fotos”, contesta o procurador da República na Paraíba Duciran Farena.
Uma das pessoas detidas, a ouvidora da Secretaria de Segurança Pública, Valdênia Paulino, reforça que a resolução alcança somente os visitantes. Ela lembra que a competência do Conselho Estadual de Direitos Humanos é regulada por uma lei estadual. “Uma resolução não pode ser maior que uma lei. Atuamos pautados pela legalidade. Para ser conselheiro estadual de Direitos Humanos, é preciso ter reputação ilibada. O conselho tem representantes da sociedade civil. Era um grupo de autoridades”, reforça.
s conselheiros se recusaram a entregar a máquina fotográfica aos agentes penitenciários. E incluíram as imagens em relatório despachado à Secretaria de Administração Penitenciária, ao governador Ricardo Coutinho, ao Ministério Público Federal e ao Juizado de Execuções Penais. Procurada, a secretaria informou que ainda não recebeu oficialmente o relatório, mas que está apurando tanto a versão do diretor do presídio quanto a dos conselheiros.
Confira aqui a íntegra do relatório.
Militantes dos Direitos Humanos foram presos por tentarem denunciar o cenário de horror. Veja abaixo nota do Centro de Referência de Direitos Humanos da Universidade Federal da Paraíba

Faziam parte da delegação padre Francisco Bosco (presidente do CEDH-PB), Guiany Campos Coutinho (membro da Pastoral Carcerária), Socorro Praxedes (advogada da Fundação Margarida Maria Alves), a professora Maria de Nazaré T. Zenaide (Coordenadora do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos da UFPB), Valdênia Paulino Lanfranchi (advogada e Ouvidora de Polícia da Paraíba), Lidia Nóbrega (Defensora Pública da União).
A equipe esperou cerca de 1 hora e meia para ter acesso aos pavilhões, ocorrendo esta após autorização concedida através de telefonema por parte do Cel. Arnaldo Sobrinho. Os conselheiros deixaram seus telefones celulares nos seus veículos ou em bolsas na sala da secretaria do PB1 e só adentraram no presídio com uma máquina fotográfica para registrar a situação prisional, o que é de praxe, pois o órgão elabora relatório de monitoramento.
Durante a fiscalização, os conselheiros fotografaram as condições deprimentes, desumanas e contrárias à lei de execução penal das celas coletivas do PB1. Neste ínterim, membros da PM e da Administração Penitenciária do PB1, que antes haviam se negado a acompanhar os conselheiros ao segundo pavilhão, deram voz de prisão aos membros do CEDH-PB conduzindo-os para uma sala da penitenciária e mantendo-os detidos. Nesse período, chegou à unidade prisional reforço policial para transferir os conselheiros detidos para a Delegacia. Os conselheiros comunicaram a ilegalidade que estava sendo cometida, ao Procurador Federal do Cidadão, Dr. Duciran Farena, ao Chefe de Gabinete do governador, Waldir Porfírio da Silva e à Defensoria Pública da União.
Os conselheiros detidos não puderam identificar os agentes penitenciários e os policiais militares envolvidos porque estes não portavam os distintivos de identificação. Logo após a detenção chegou ao estabelecimento prisional, representando a Secretaria da Administração Penitenciária, o Cel Arnaldo Sobrinho que reuniu na sala da direção o chefe de disciplina e os conselheiros detidos. Foi também nesse momento que se apresentou no estabelecimento o Diretor do PB1, Major Sérgio que, mesmo estando de férias, era quem dava as ordens, através do sistema rádio de comunicação, o qual determinou a prisão dos conselheiros, com o argumento de que não podíamos registrar as condições dos apenados.
Somente após a chegada dos representantes do Ministério Público Estadual, Dr. Marinho Mendes e da Ordem dos Advogados do Brasil, Laura Berquó é que os membros do CEDH foram liberados, sob a contestação do diretor do presídio e de membros da PMPB.
Convém ressaltar que, entre as atribuições dos conselheiros do CEDH está a de “ter acesso a qualquer unidade ou instalação pública estadual para acompanhamento de diligências ou realização de vistorias, exames e inspeção”, como previsto na Lei 5551/92. As visitas de monitoramento ao sistema prisional são atribuições legais do CEDH e é direito dos presos e de seus familiares prestar queixas aos representantes do Conselho que, por dever público, são obrigados a realizar o monitoramento.
Diante da gravidade dos fatos relacionados acima, o Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos e a Comissão de Direitos Humanos da Universidade Federal da Paraíba de público reivindicam ao Governador do Estado, Ricardo Vieira Coutinho, o imediato afastamento do Diretor do PB1 e dos demais funcionários estaduais envolvidos no episódio e a abertura de procedimentos administrativos para a apuração dos fatos neste documento denunciados e a punição dos culpados.


Por Agencia de Notícias.

Grande OPORTUNIDADE para PORTABILIDADE DE CRÉDITO

Esta com MARGEM BAIXA ou NEGATIVA?? Isto mesmo, NEGATIVA!!!!
Não se preocupe, Faça já UM NOVO EMPRÉSTIMO!!! 

TEMOS A SOLUÇÃO!!! 
DINHEIRO sem complicação, PARA VOCÊ SERVIDOR CONCURSADO.

ENTRE EM CONTATO COM Deivid da SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS



Melhores TAXAS 

Atendimento rápido e personalizado!

Dinheiro na mão e com o Deivid da Solução!!!

31 989906764 WhatsApp
31 999246764 
Faça AGORA MESMO sua simulação.