2 de ago. de 2022

Semipresidencialismo: Câmara deve aprovar plebiscito que muda forma de governo

 

Pelo novo modelo de governo, defendido por Arthur Lira, o presidente da República compartilha o poder com um primeiro-ministro, eleito pelo Congresso Nacional 


 

Por Renato Alves 

O grupo de trabalho da Câmara dos Deputados que analisa temas relacionados ao sistema de governo semipresidencialista tem reunião marcada para quarta-feira (3) para discutir e votar o parecer do coordenador, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP).

O texto foi apresentado em julho e é favorável à realização de plebiscito a ser convocado por decreto legislativo. De acordo com o parecer, nos seis meses que antecederem a consulta, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deverá fazer a divulgação nos veículos de comunicação dos principais pontos do sistema semipresidencialista: eleição popular do presidente, primeiro-ministro com apoio de maioria parlamentar e distinção entre chefia de Estado e de governo.

A decisão sobre a realização do plebiscito ocorrerá em meio ao período de campanha eleitoral, em que as atenções do país e dos parlamentares estão voltadas para a disputa. Com o Congresso esvaziado, o grupo de trabalho, que foi formado há apenas quatro meses e quase não se encontrou, fará a votação de forma remota, com tendência de aprovar o parecer de Samuel Moreira.

Ou seja, apenas 10 deputados vão decidir se o país deve ou não realizar um plebiscito para mudar a forma de governo, podendo adotar aquela defendida  pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que decidiu criar tal grupo para apresentar a proposta a favor do semipresidencialismo. 

Pelo modelo de governo, o presidente da República compartilha o poder com um primeiro-ministro, eleito pelo Congresso Nacional, hoje dominado pelo Centrão, do qual Lira é uma das lideranças.

FONTE: OTEMPO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A responsabilidade de cada comentário é exclusivamente de seus autores, isentando este site de quaisquer ações judiciais. Em um eventual pedido de quebra de sigilo, por parte da Justiça, o site poderá fornecer nomes, e-mail e o IP dos autores dos comentários.