sábado, 10 de março de 2018

FRATERNIDADE E SUPERAÇÃO DA VIOLÊNCIA

A imagem pode conter: 1 pessoa, sala de estar e área interna

Em plena ditadura militar, no distante ano de 1961, a ação de três padres, responsáveis pela Caritas brasileira, ao idealizarem uma campanha para arrecadar fundos para atividades assistenciais, plantaram o primeiro embrião da hoje conhecida Campanha da Fraternidade.
Três anos mais tarde, no ano de 1964, foi realizada a primeira Campanha de amplitude nacional, sob os cuidados da CNBB - Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.
Para este ano de 2018, de maneira extremamente apropriada e consentânea com a nossa terrível realidade, foi escolhido o tema “fraternidade e superação da violência” e o lema: “Vós sois todos irmãos” (Mt 23,8).
O objetivo geral da Campanha, destarte, é o de construir a fraternidade, promover uma cultura de paz, de reconciliação e de justiça, como efetivo mecanismo de superação da violência. Confesso que não será fácil! Os homens temos sido ruins com nossos semelhantes!
No momento em que escrevo essas palavras, acabo de tomar conhecimento de uma troca de tiros em uma propriedade rural, localizada no município de Capitão Enéas/MG, que deixou, até este momento, seis pessoas feridas, segundo a Polícia Militar. Conforme relatos, um grupo chegou em um caminhão baú e desceu do veículo atirando contra os ocupantes da fazenda, que revidaram o ataque. Sem qualquer juízo de valor sobre fatos que ainda pendem de investigação, a violência contra trabalhadores rurais e povos tradicionais ainda é uma realidade presente em nosso meio!
Na mesma senda, na semana em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, dados divulgados pelo Núcleo de Estudos de Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, revelam que o Brasil permanece como uma das nações mais violentas do mundo para as mulheres.
Os dados mostram que 4.473 mulheres foram vítimas de homicídio em 2017, um crescimento de 6,5% em relação a 2016, quando 4.201 mulheres foram assassinadas. Isso significa que uma mulher é assassinada a cada duas horas no Brasil, taxa de 4,3 mortes para cada grupo de 100 mil pessoas do sexo feminino. Para que o leitor tenha ideia do que isso representa, se considerarmos o último relatório da Organização Mundial da Saúde, o Brasil ocuparia a 7ª posição entre as nações mais violentas do planeta contra a mulher.
Como se tudo isso não fosse suficiente, o Brasil ostenta hoje o título de campeão mundial em números absolutos de homicídios. São 171 pessoas assassinadas por dia em nossa república de bananas. Para melhor compreensão da gravidade do problema, a Síria, país que se encontra em guerra civil declarada, matou - nos últimos quatro anos - cerca de 256 mil pessoas. No Brasil, contudo, o número é bem maior: são 279 mil pessoas mortas no mesmo período. É uma insanidade! Um massacre silencioso e sem reação efetiva, com público alvo conhecido e determinado!
Aqui não vou nem aprofundar nos números da corrupção, que retiram investimentos básicos da ordem de quase 1 trilhão de reais, em detrimento especialmente das classes mais pobres de nossa nação. Essa forma de violência, em verdade, faz parte de nossa história, lamentavelmente.
Observa-se, assim, que a realidade brasileira tem sido deprimente. Lado outro, a provocação estampada pela Campanha da Fraternidade deste ano é gritante. Provoca a cada um de nós a fazer um pouco mais! É fato que ninguém ignora tudo, que ninguém sabe de tudo! Todos nós sabemos de alguma coisa! O que se exige hoje é atitude! Em verdade, “não estou no mundo para simplesmente a ele me adaptar, mas para transformá-lo; se não é possível mudá-lo sem um certo sonho ou projeto de mundo, devo usar toda possibilidade que tenha para não apenas falar de minha utopia, mas participar de práticas com ela coerentes”. É preciso conter a brutalidade humana, a intolerância, a selvageria!
A obediência é uma decisão de caráter individual. O servir é um ato de manifestação coletiva. Pois somente servindo encorajamos o próximo a também servir, ou seja, o ato de servir gera a gratidão, gratidão que gera satisfação, que gera mais servir. O amor ao próximo proporciona isso: uma corrente de benevolências, um grande desafio de caráter humanitário. Precisamos de servir mais! Ajudar ao próximo e unirmos forças em busca de uma efetiva cultura de paz e superação da violência!
Concluo essa breve provocação à superação de todas as formas de violência com as palavras do poeta Reinaldo Ribeiro: “Decidi que deveria ignorar a aprovação coletiva no dia em que percebi que a vida é um bombardeio de críticas e a morte é uma avalanche de hipócritas elogios. Por isso, mesmo vivendo em paz com todos que posso, digo que o amor de Deus é tudo que me basta!” Que no amor do Criador possamos amar todas as criaturas! A oração, por si só, não basta! É tempo de ação! Onde está o seu irmão que chora?
(*) Delegado de Polícia Federal e Professor da Academia Nacional de Polícia
A imagem pode conter: 1 pessoa, close-upA imagem pode conter: uma ou mais pessoas
A imagem pode conter: 1 pessoa, sentadoNenhum texto alternativo automático disponível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Os comentários postados pelos leitores deste blog correspondem a opinião e são responsabilidade dos respectivos comentaristas leitores e não correspondem, necessariamente, a opinião do autor deste blog.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.