quinta-feira, 23 de novembro de 2017

SINDASP/MG EM AÇÃO:

Resultado de imagem para SINDASP MG

O Sindicato solicitará providências contra o Diretor Prisional que ameaçou um Agente Penitenciário, e que logo após o episódio de chamar o Agente de “lixo”, o diretor protagonizou mais um ato deplorável, pois ele parou as atividades do Presídio Alvorada para macular seu juízo de valor pessoal contra a maior Entidade Sindical do Sistema Prisional de Minas Gerais SINDASP/MG, diante dos servidores.

O Sindicato dos Agentes Penitenciário considera inaceitável e pedi a imediata RETRATAÇÃO do Diretor Carlos Adriano, que para defender seus interesses pessoais e políticos tratou-se de forma depreciativa, agressiva e desrespeitosa o SINDASP/MG durante uma reunião de última hora ocorrida no final da tarde do dia 21.11.2017, o Diretor Adriano questionou-se a representatividade da Entidade e proferiu aos Agentes que participavam da reunião que o sindicato: “era um sindicato de merda”.

O SINDADP/MG é uma entidade representativa de classe trabalhadora, a quem cabe a responsabilidade de lutar pelos direitos dos Agentes de Segurança Penitenciários e defender os interesses dos seus filiados. Do outro lado, o cargo em comissão e/ou político ocupa um espaço na estrutura governista e não classista, uma vez que, se nomeia uma pessoa qualquer para exercê-lo (nomeação baseada na confiança da autoridade nomeante para com o nomeado), a função de confiança é atribuída a um servidor, cuja pertence aos quadros da Administração Pública ou não.

O diretor, um servidor com a responsabilidade que a função exige, não pode e não tem o direito de faltar com urbanidade com qualquer pessoa ou servidor público. O Sindicato exige as providências cabíveis, sobretudo por parte da Secretaria de Administração Prisional de Minas Gerais.

"O SINDASP/MG está na LUTA pela POLÍCIA PENAL, LUTA pela LEI ORGÂNICA e DEFESA dos filiados!"


ASCOM – SINDASP/MG NORTE

SINDASP/MG JUNTOS NA LUTA PELA POLÍCIA PENAL



Resultado de imagem para SINDASP MG

O SINDASP-MG parabeniza os Agentes da Penitenciária de Muriaé pela atuação em mais um brilhante trabalho de apreensão de celulares.

Agentes apreendem celulares dentro de marmitas na Penitenciária de Muriaé

Suspeita é que aparelhos tenham sido levados por presos que trabalham em atividades externas. Caso é investigado pela Polícia Civil.


Apreensão ocorreu nesta terça-feira, em Muriaé (Foto: Sistema Prisional/Divulgação)

Agentes da Penitenciária de Muriaé apreenderam nesta terça-feira (21) três celulares que seriam entregues a presos do regime fechado da unidade. Os aparelhos foram encontrados em meio a marmitas com refeições para os presos.
G1 entrou em contato com a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) e aguarda retorno.
Segundo os agentes, a suspeita é que os celulares tenham sido levados por presos que trabalham em atividades externas e, possivelmente, eram auxiliados por outros detentos que cumprem tarefas na horta da unidade prisional.
A ocorrência foi divulgada pela Policia Civil, que vai investigar o caso. Os envolvidos vão responder Procedimento Administrativo Disciplinar.
FONTE: G1

O Diretor do SINDASP-MG e da Fenaspen, Carlos Alberto, e o vice-presidente do SINDASPES (ES) e também Diretor da Fenaspen, Fidel Borguignon, se reuniram ontem (22.11) com a oficial técnica em Princípios e Direitos Fundamentais do Trabalho da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Thaís Dumêt Faria, para tratar de denúncias de violação de direitos de servidores do Sistema Prisional do Brasil.


A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé

Alexandre Guerreiro sofre ameaças de colega de serviço no exercício da função

A imagem pode conter: 1 pessoa
Foto: Alexandre Guerreiro

Não é a primeira vez e dificilmente será a última, é imprescindível fazer o registro público das ameaças que sofro para que, caso algum desses psicopatas que pululam no dia a dia resolva cumprir o que prometeu, haja por onde começar a investigação.

Em primeiro lugar, quero avisar que há muito alimento um arquivo contendo todas as ameaças que venho recebendo ao longo dos últimos meses. Nesta última sexta-feira dia 17.11.2017, por volta das 17h, no exercício da função, e durante uma transferência de presos no Presídio Regional de Montes Claros fui surpreendido por um colega de serviço que caminhou em minha direção tentando agredir minha pessoa e fazendo ameaças. Fato registrado pelo circuito de câmeras do Presídio.

O blogueiro Alexandre Guerreiro já foi ameaçado de morte nesses últimos dois anos, antes dessa última ameaça, o blogueiro e seu filho um menor de 13 anos foram intimidados e ameaçados por esse mesmo Agente Penitenciário, na primeira ocasião o Guerreiro recebeu a seguinte mensagem do autor num supermercado: “Você está brincando com fogo denegrindo muitas pessoas que não conhece, você não tem peito de ferro, mamãe não vai apara as balas que estão guardando para você ande com colete”. E por conseguinte as ameaças continuam...


Assim, o Blogueiro Alexandre Guerreiro comunicou à sua chefia imediata dos fatos e acontecimentos e lavrou o REDS 2017-035568604-001, para tentar buscar justiça e para garantir à sua segurança e de sua família.

O SINDASP-MG solicita aos Agentes Penitenciários que tiverem com seu nome COMPROVADAMENTE negativado por instituições financeiras devido à falta de repasse da SEPLAG

Nenhum texto alternativo automático disponível.

O SINDASP-MG solicita aos Agentes Penitenciários que tiverem com seu nome COMPROVADAMENTE negativado por instituições financeiras devido à falta de repasse da SEPLAG que procurem o Departamento Jurídico do Sindicato para impetrarmos uma ação para estes casos.
Pedimos que tragam o comprovante de negativação expedido pelo SPC ou SERASA.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

EU NÃO SOU LIXO

Nenhum texto alternativo automático disponível.

No dia 21.11.2017, um fato entrou para a história da minha vida!
Continuarei de cabeça erguida, ainda sabendo que o opressor de hoje, se faz por falta de conhecimento!
Tenho a total convicção que a justiça será feita e tudo isso será revertido!

Agradeço imensamente os amigos que estão ao meu lado, e que se preocuparam comigo e estão lado a lado nessa árdua batalha!

Uma certeza eu tenho!

Márcio Cleiton R. Santos
Delegado Sindical
Subsede Norte

Contratos de agentes penitenciários podem ser prorrogados para o próximo ano

Foto: Divulgação/Seds
A necessidade de dilatação do prazo para a demissão dos agentes penitenciários e socioeducativos de Minas Gerais foi defendida unanimemente pelos participantes de audiência pública realizada nesta terça-feira (21) pela Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).
Segundo decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), todos os contratos devem ser finalizados até o dia 31 de dezembro deste ano, mas os convidados consideram que o cumprimento dessa determinação vai sobrecarregar os servidores que continuarem em serviço e gerar riscos para a vida e a saúde dos trabalhadores.
A decisão do Tribunal de Justiça foi em primeira instância e consistiu na declaração de inconstitucionalidade da Lei 18.185, de 2009, que pretendia renovar os contratos. A decisão tramita em segunda instância no TJMG e deve ser apreciada em breve.
"Não podemos perder cerca de 4 mil agentes penitenciários e 2 mil agentes socioeducativos de uma só vez sem que isso impacte de forma sensível em todo o sistema. Estamos nos aproximando dos recessos de fim de ano, época em que o nível de tensão nas unidades se eleva, o que torna tudo ainda mais preocupante", disse a juíza Míriam Vaz Chagas, da comarca de Ribeirão das Neves.
A juíza disse, porém, que o TJMG está sensível à situação e se disse otimista quanto à decisão de segunda instância, que deve, em sua avaliação, garantir a extensão do prazo para que os contratados não sejam imediatamente demitidos.
O defensor público Rômulo de Carvalho e o presidente da Comissão de Assuntos Carcerários da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MG), Fábio Piló, também se manifestaram favoravelmente à prorrogação do prazo e da modulação das demissões. Apesar de favorável à solução proposta, o juiz Wagner Cavalieri, da comarca de Contagem, acha que será insuficiente. De acordo com ele, a decisão do TJMG tende a adiar demissões, mas não permite, por exemplo, a recontratação dos que já foram dispensados.

LINCOLN PORTELA E JAIR BOLSONARO: Juntos pela Polícia Penal!

Resultado de imagem para POLICIA PENAL

NOTA SINDASP/MG NORTE

  Nenhum texto alternativo automático disponível.

Prezado Secretário de Administração Prisional, Subsecretário e Superintendentes, com muito pesar viemos por meio desta relatar o seguinte fato: no dia 21.11 do corrente ano, por volta das 09 horas, o Presídio Alvorada de Montes Claros recebeu a visita do Diretor Carlos Adriano (Diretor Penitenciária de Francisco Sá),  ao chegar indagou acerca da presença dos Diretores e posterior, ao verificar o servidor Márcio Cleiton indo realizar os procedimentos de liberação do “banho de sol”, discutiu-se sistematicamente de forma depreciativa e em público a maneira que se apresentava, chamando-o de “lixo, escória do sistema” e demais posicionamentos conforme o reds n° 2017-035844777-001, tal episódio chamou à atenção de todos ali presentes, pois, o Diretor Adriano gritava chamando atenção de todos objetivando demonstração de “poder”, contudo à postura equívoca, assediosa, do Diretor Referência causou temor generalizado nos servidores que lá laboravam, as servidoras correram para o seu setor fechando a porta e até mesmo os presos verificaram estranheza.
            Com todas dificuldades presentes bem como a redução do número significativo de servidores da Unidade Alvorada, todos têm se desdobrado para atingir os atendimentos e cumprir sua missão; o Diretor Referência nunca se fez presente para elogiar, reconhecer os esforços dos servidores, porém, as poucas que lá esteve foram com atitudes truculentas e assediosas. Nobres Comandantes da SEAP, de maneira geral os servidores do Presídio Alvorada estão insatisfeitos com o trato equivocado oferecido pelo Carlos Adriano, infelizmente laboramos em uma unidade com poucos condições estruturais, contudo os servidores, direção e sindicato vem criando melhores condições de trabalho, objetivando oferecer menores adversidades para o labor;  também sabemos que hierarquicamente falando, conforme art. 6° da lei 14.695/2003, (que cria as carreira dos Agentes Penitenciários) o servidor fica subordinado ao Diretor do respectivo estabelecimento, neste caso, Diretor Neemias Moreira dos Santos.
            Portanto desejamos à apuração da conduta exposta, uma vez que feriu a integridade moral do servidor Márcio bem como de todos ali presentes, pois o referência fez questão de ressaltar que o Alvorada é um lixo; também deve se apurar o abuso de autoridade, uma vez que o Diretor Carlos Adriano, não é gestor no Alvorada e sim na PFS, quanto ao ilícito penal, estaremos tomando providências “in loco”.           

UARLEI SOARES SANTOS
DIRETOR REGIONAL SINDASP/MG

terça-feira, 21 de novembro de 2017

SINDASP-MG na luta em Brasília:

BRASÍLIA-DF
21/11/2017
A imagem pode conter: 7 pessoas, pessoas sentadas
O SINDASP-MG participa, junto à Fenaspen, da Audiência Pública da Comissão de Diretos Humanos da Câmara dos Deputados que promoveu um debate em prol da criação da Polícia Penal hoje (21.11). O Deputado Arnaldo Faria de Sá foi escolhido como relator da matéria na Comissão de Constituição e Justiça.
A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas em pé
O Presidente do SINDASP-MG e Vice-presidente da Fenaspen, Adeilton Rocha, participou da segunda mesa de debates no qual falou a respeito das mortes de presos que ocorreram no início do ano como demonstração da total ausência do Estado no Sistema Prisional. Adeilton argumentou em defesa da aprovação da PEC 372/2017 como o principal instrumento para dar início à recuperação de um Sistema Prisional que beira o caos e está prestes a entrar em colapso.
Minas Gerais também está sendo representada pelo Diretor do SINDASP-MG Carlos Alberto, pelo Vereador de Unaí e Agente Penitenciário Eugênio e servidores do Sistema Prisional mineiro.
A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e terno

FONTE: Sindasp - MG 

Agentes penitenciários e socioeducativos pedem por prorrogação de contratos e por socorro pelo sistema carcerário de Minas Gerais em audiência pública




Na manhã desta terça-feira, 21/11/2017, foi realizada audiência pública, a pedido dos deputados Sargento Rodrigues e João Leite, para debater o cumprimento da Lei de Execução Penal e do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), considerando-se as ameaças e as condições de trabalho dos agentes penitenciários e socioeducativos no cumprimento de sua missão constitucional.
Na ocasião, o deputado Sargento Rodrigues chamou a atenção para a ausência dos representantes de algumas entidades de classe e frisou a importância do judiciário e da defensoria pública para complementar o debate, já que segundo ele, o aparato de justiça criminal composto pela Polícia Militar, Polícia Civil, Ministério Público, Judiciário e Sistema Prisional e Socioeducativo precisa estar com todas as engrenagens funcionando para que tenhamos efetivamente uma melhor segurança pública.
Segundo decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), todos os contratos de agentes penitenciários e socioeducativos devem ser finalizados até o dia 31 de dezembro deste ano. A decisão consistiu na declaração de inconstitucionalidade da Lei 18.185, de 2009, que pretendia renovar os contratos.
Sargento Rodrigues afirmou que as penitenciárias e presídios de Minas Gerais estão abarrotados de presos, o que aumenta a fragilidade do sistema prisional, e que desde 2015, a população carcerária passou de 60 mil para 75 mil presos. “A possibilidade do julgamento inconstitucional da lei em definitivo e a demissão em massa a partir de 31 de dezembro causarão um verdadeiro transtorno e o sistema prisional entrará de vez em colapso. Este ‘Desgoverno’ não faz gestão e ainda quer as demissões dos agentes. Quem ficará com a sobrecarga de trabalho se os contratados forem demitidos? Os efetivos. Onde estão as políticas públicas? Onde estão os investimentos? Quem paga o preço mais alto é o cidadão que é vítima de roubo, estupro, homicídio”, alertou o parlamentar.
Para o diretor executivo do Sindicato dos Agentes de Segurança penitenciária do Estado de Minas Gerais (SINDASP), Everaldo Márcio da Silva, “O sistema prisional, hoje, se encontra em um caos. Um agente penitenciário convive com superlotação, falta de EPI, coletes vencidos, munições em deficit, além de um ambiente insalubre e degradante, o que é terrível para os servidores. O sistema não recebe nenhum investimento do Governo para reverter esse quadro e 30% dos profissionais se encontram afastados por doenças do exercício de sua função. O servidor está exausto sem amparo do Governo”.
Segundo Rômulo Francisco de Souza Assis, diretor financeiro do Sindicato dos Servidores Públicos do Sistema Socioeducativo do Estado de Minas Gerais, não deve haver distinção entre servidores efetivos e contratados, pois são todos agentes. “Tem unidade que tem cinco agentes por plantão. É melhor entregar a chave para os adolescentes. Não podemos mais ficar nesse caos e sem resposta do Governo. Os projetos de lei estão parados. O sistema vai parar”, afirmou o diretor.
Durante a fala de Ronan Rodrigues, o presidente da União Mineira dos Agentes de Segurança Prisional do Estado de Minas Gerais (Unimasp), afirmou que nada do que foi prometido o Governo cumpriu e que é preciso que as duas categorias se unam para se fortalecer. Ronan também ressaltou que o Ministério Público está fazendo uma covardia com os servidores: “É um absurdo o MP não estar presente nesta audiência. O Governo do Estado não valoriza e não reconhece os seus profissionais”.
Rômulo Luis Veloso de Carvalho, representante da Defensoria Pública Geral, apontou para a gravidade da questão: “O sistema já trabalha com menos do que necessita. Mais pessoas sendo demitidas é inoperante. Precisamos de ações de transformação. Nossa posição também é pedir a prorrogação de prazo das demissões. A Defensoria tem feito recomendações e permanece atenta, demandando os órgãos competentes para que nenhuma ação inviável seja tomada abruptamente. O defensor público ainda destacou que, hoje, a seu ver, este é o assunto mais relevante da Segurança Pública de Minas Gerais.
O subsecretário de Atendimento Socioeducativo da Secretaria de Estado de Segurança Pública, Danilo Emanuel de Oliveira Santos Salas, era o único representante do Governo presente na reunião e não conseguiu responder, com certeza, sobre o destino dos agentes, mas reconheceu o deficit e a carência do sistema socioeducativo, e afirmou que ao invés das demissões, o ideal seriam substituições mais humanizadas.
Já para Wagner de Oliveira Cavalieri, juiz de direito da Vara de Execuções Criminais da Comarca de Contagem, os agentes são a peça chave do sistema, já que mantém a disciplina e o funcionamento das unidades e afirmou que a exoneração dos servidores seria uma tragédia: “Já há um efetivo insuficiente nas unidades e com o aumento de 25% da população carcerária desde 2015 e menos agentes, o sistema entrará em colapso”. Cavalieri sugeriu a imediata abertura de concurso público, com o tempo de serviço prestado no sistema prisional sendo contado como um diferencial.
O agente penitenciário, Ariovaldo Júnior, relatou com muita indignação sua luta enquanto servidor do sistema carcerário e afirmou que o Governo do PT tira da saúde, da educação, da segurança e que não dá condições para o servidor público trabalhar. “Esta semana tentaram nos desmotivar de participar da audiência pública, mas não conseguiram”. Segundo o agente, o governador Fernando Pimentel e seus aliados estão esquecendo das eleições do ano que vem, e que se continuarem com as demissões dos agentes, os sistemas penitenciário e socioeducativo vão parar.
Ao final, o deputado Sargento Rodrigues relembrou a falta de prioridade do Governo de Minas com a Segurança Pública e os gastos exorbitantes como com propaganda oficial.
O parlamentar apresentou requerimento para que seja encaminhado à Presidência do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), e aos desembargadores do Órgão Especial do TJMG, pedido de providências para que enviem esforços ao buscar uma solução visando a modulação judicial no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade acerca da Lei nº 18.185/2009, de forma a alcançar e permitir a extensão, pelo tempo máximo possível, das contratações dos servidores, tendo em vista a necessidade e a urgência de se suprir as carências dos sistemas prisional e socioeducativo no Estado, hoje superlotados e com deficit de agentes.

A necessidade da prorrogação do prazo para a demissão dos agentes penitenciários e socioeducativos de Minas Gerais foi defendida unanimemente pelos participantes de audiência.



SISTEMA PRISIONAL DO NORTE DE MINAS A BEIRA DO CAOS

 O Sistema Prisional demostra-se falta de Liderança: assim o caos é inevitável e o descontrole assola tudo e todos

Viatura do Sistema Prisional de Francisco Sá

Nesta manhã de terça-feira 21.11, um possível atrito verbal entre o Diretor da Penitenciária de Francisco Sá e um Agente Penitenciário no interior do Presídio Alvorada de Montes Claros culmino-se em ocorrência policial REDS Nº 2017-035844777-001, fato em que: 

Foto: Ocorrência na 130-PMMG




Elencado pontos acerca do BO/REDS:

1- Na versão do Diretor ele mesmo confirma chamar atenção do colega à frente dos outros (isso não é ético e nem moral);

2- O Diretor Adriano não é REGIONAL, e sim REFERÊNCIA, não é nomeado para tal FUNÇÃO, pois não existe regulamentação ESTATAL. Ele é gestor em cargo comissionado na Penitenciária de Francisco Sá;

3- O Diretor do Presídio Alvorada é o senhor Neemias Moreira dos Santos, ele é a autoridade competente nos limites do Presídio Alvorada, e o responsável para tomar providências;

5- Em todas as unidades de Montes Claros, há reclamações com a maneira autoritária do Diretor Adriano em lidar com os servidores;

6- Caneta e papel serve para relatar fatos, destarte bate boca em público não é missão de DIRETOR;

7- Assédio é ilícito administrativo, abuso de autoridade e ameaça ilícito penal Diretor "referência";

8- O servidor Márcio estava com a cal.12 (munição menos letal) porque estava indo laborar (fazer suas funções), o Presídio que encontra-se em déficit de servidores, para garantir o mínimo de atendimento nesta Unidade Penal, portanto, ao Diretor Adriano, você deveria elogiar o quanto aqueles servidores fazem com tampouco;

9- Todas as providências quanto ao ilícito administrativo e penal serão tomadas.

Uarlei S. Santos
Diretor Regional
SINDASP/MG NORTE






segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Agentes de Segurança Penitenciários de Juiz de Fora impedem a entrada de drogas e celulares em unidade prisional



Na madrugada desta segunda-feira, 20.11, por volta das 0h30, Agentes de Segurança Penitenciários da Penitenciária Professor Ariosvaldo Campos Pires, em Juiz de Fora, evitaram a entrada de três celulares, quatro carretéis de linha de pedreiro, invólucros e barras de substâncias análogas à maconha, cocaína e crack, totalizando aproximadamente três quilos de drogas.
O material foi apreendido pela Equipe Charlie que estava de plantão e pelos Agentes que atuam no Canil da unidade prisional com ajuda do pastor alemão Diesel, após avistarem indivíduos não identificados entrando no perímetro de segurança extramuros. Esses homens, ao observarem a aproximação da equipe de segurança fugiram e deixaram uma mochila com os objetos e as drogas.
 O Registro de Eventos de Defesa Social (Reds) foi feito pelos Agentes e o material encaminhado para a Polícia Civil.

domingo, 19 de novembro de 2017

SISTEMA PRISIONAL DE MINAS GERAIS CORRE O RISCO DE NÃO ELEGER UM AGENTE PENITENCIÁRIO NAS ELEIÇÕES DE 2018

O SISTEMA PRISIONAL criou-se expectativas nas ELEIÇÕES de 2014, quando pela primeira vez na história uma UNIÃO conseguiu ELEGER o Deputado Estadual Márcio Santiago (AGENTE PENITENCIÁRIO).

Hoje a maior esperança tornou-se um exemplo de descrédito, ou seja, sinônimo de decepção, pois, o nobre parlamentar não conseguiu colocar nenhum um PROJETO DE LEI e/ou sequer aprovar em favor do AGENTE PENITENCIÁRIO.

O fiasco da REPRESENTATIVIDADE transcende nas REDES SOCIAIS, pois, veicula-se 30 nomes de Agentes Penitenciários para concorrerem ao mandato de Deputado Estadual e uns 20 para o mandato de Deputado Federal e 3 para Senador.

Portanto, o Deputado Márcio abandonou o SISTEMA PRISIONAL, isto é, muito fomenta nos bastidores que só a igreja garante à sua eleição, por isso, usa o nome de Missionário Marcio Santiago para se desvincular das lutas classistas.

FATOS:

SISTEMA PRISIONAL SEM LEI ORGÂNICA, SEM APOSENTADORIA ESPECIAL, SEM JORNADA DE TRABALHO JUSTA, QUADRO DEFICITÁRIO DE SERVIDORES, SEM EQUIPARAÇÃO DE PROMOÇÃO E PROGRESSÃO, SEM INVESTIMENTO E ESTRUTURA E AINDA FALTA MUITO!

SEM REPRESENTATIVIDADE POLÍTICA...(chorar)






Resultado de imagem para marcio santiago

sábado, 18 de novembro de 2017

SINDASP/MG INFORMA: AUDIÊNCIA PÚBLICA DIA 29 DE NOVEMBRO - ÀS 9h NA ALMG

VAMOS LOTAR A ALMG - TODOS NOS DO SISTEMA PRISIONAL SOMOS IMPORTANTES PARA AS LUTAS!

Nenhum texto alternativo automático disponível.

O Diretor Prisional Dr. Rodrigo Machado foi agraciado com a Medalha Tomaz Antônio Gonzaga

“Líderes incríveis saem da sua rotina para melhorar a autoestima de sua equipe".


O Diretor Geral do Presídio Antônio Dutra ladeira, que integra o quadro de comendador da Ordem dos Cavaleiros da Inconfidência Mineira foi agraciado com a Medalha Tomaz Antônio Gonzaga. A homenagem ocorreu no último dia 15.11.2017, no dia em que comemoramos a proclamação da República.



O Dr. Rodrigo Machado é um líder nato, pois consegue trabalhar de forma humana os seus colegas, que sabem exatamente às suas ideias e seus esforços voltados para o bem comum do Sistema Prisional de Minas Gerais.







sexta-feira, 17 de novembro de 2017

PRESÍDIO DE ARCOS REGISTRA FUGA DE PRESO

Foto: Whatsapp


O Presídio de Arcos sediado na região oeste de MG registrou fuga de um preso nesta tarde de sexta-feira (17), na ação o criminoso usou uma escada, um colchão e saltou para o lado de fora da unidade prisional tomando rumo ignorado. Em face, os servidores Penitenciários denunciam à falta de efetivo, aparelhamento tecnológico e bélico para promoção da custódia e ressocialização dos sentenciados. 

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

AGENTE PENITENCIÁRIO DE MINAS GERAIS RECEBE MEDALHA DE HONRA



A solenidade da entrega da Medalha da Ordem dos Cavaleiros da Inconfidência Mineira teve como orador o General de Divisão Henrique Nolasco Sobrinho - CMT da 4ª Região Militar.

No âmbito militar conota os comprovados serviços à história, a cultura e a sociedade. No âmbito civil tem o conceito e o respeito de toda sociedade como o “dever cumprido” enquanto cidadão de bem.
- Parabenizamos o Agente Richard Orione Nunes, da SEAP- Secretaria de Estado de Administração Prisional, pela conquista merecida.



REPÚDIO E INDIGNAÇÃO:



No dia 13 de novembro de 2017, findou minha batalha judicial contra o Estado, em última Instância a Primeira Turma do STF (Superior Tribunal Federal), tendo como Relator o Ministro Roberto Barroso, NEGOU por UNANIMIDADE TODOS os meus DIREITOS. Além de ter tido meus direitos negado, terei que custear com 25% (vinte e cinco por cento) das custas processuais nos termos do artigo 85, £ 11 do CPC/2015: Art. 85. A sentença condenará o vencido a pagar honorários ao advogado do vencedor.
§ 11. O tribunal, ao julgar recurso, majorará os honorários fixados anteriormente levando em conta o trabalho adicional realizado em grau recursal, observando, conforme o caso, o disposto nos §§ 2o a 6o, sendo vedado ao tribunal, no cômputo geral da fixação de honorários devidos ao advogado do vencedor, ultrapassar os respectivos limites estabelecidos nos §§ 2o e 3o para a fase de conhecimento.
No dia 13 de novembro, eu que fui condenado.
Eu, um cidadão de bem que trabalhava, cumpridor dos direitos e deveres, estou CONDENADO. 
Para terminar, gostaria de "agradecer" encarecidamente o M.M. Juiz de Direito por ter cumprido a lei e determinado que fosse retirada a Algema do Preso, "agradecer" também a Policial por não ter dado o apoio solicitado e além de não prestar o apoio retirou a algemas do outro preso que ela escoltava e ambos correram, e por fim, AGRADECER a Primeira Turma do STF, juntamente com o Min. Roberto Barroso por me CONDENAR.
E quanto ao Preso Juarez Pereira de Andrade Junior, hoje ele tem seus direitos garantidos por lei, tem defensor público a sua disposição, 04 refeições diárias, atendimento médico 24 horas, tem o direito de estudar e etc. Daqui uns dias estará nas ruas, voltando a cometer seus crimes: Roubando, Matando, Traficando... 
Aproveite as oportunidades que a vida está te oferecendo.

Wandrew Schwenck
Ex- Agente Penitenciário

P.S.: Fiquem a vontade para compartilhar.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

TREVAS NO MEIO DO CAMINHO DO SISTEMA PRISIONAL


O dia a dia do operadores penitenciários demonstram-se um pessimismo alarmante na instituição. É, o GUARDA caminha num estado de espírito contrário ao otimismo, por causa da falta de expectativas e interlocuções partidárias.

A demagogia discursiva explanada pelos pseudos políticos deixam os AGENTES fatigados. Assim, as coisas para o SISTEMA PRISIONAL não são técnicas e sempre caminham pelo lado negativo. Então, como sair das TREVAS?...

Logo pensamos, um SISTEMA imenso, mas, utópico e obscuro em projetos tecnológicos, cuja os velhos matreiros da politicagem cravam o ódio mediante à classe. Dividir para governar. Entre as máximas criadas por Maquiavel e que até hoje são citadas nos meios políticos, uma é exemplar. Ensinava o pensador italiano, que viveu entre 1469 e 1527, que o príncipe audaz deve tentar “dividir para governar”.

Por fim,  nesse momento épico e/ou pré-político que presenciamos os “DIAS DE TREVAS, um mistério que remete do menor ao maior". Pois, ao longo dos anos perdemos nossas referências: "lei orgânica, aposentadoria especial, jornada de trabalho, correção salarial, etc." É um mistério no meio do caminho que começa literalmente na aurora do homem político e se estende por gerações de heróis e vilões, levando finalmente a enormes revelações sobre o passado, o presente e o futuro da nossa sonhada POLÍCIA PENAL.


Alexandre Guerreiro

www.blogdoalexandreguerreiro.com
Montes Claros MG 15.11.2017

Atriz, visita presídio, faz comparação esdrúxula com campos de concentração, e é ‘fuzilada’ nas redes sociais




A badalada atriz global Fernanda Torres, renomada esquerda caviar do Leblon e adjacências, resolveu com seu amiguinho Marcelo Freixo - deputado do PSOL, partido antissemita, especialista em queimar bandeiras de Israel - visitar um presídio carioca para depois tecer suas considerações humanistas na Folha de São Paulo.

Lá, a bondosa visitante encontrou aquilo que já sabemos existir, mas "perplexa" com tanta indignidade das instalações resolveu de forma infeliz comparar o recinto com campos de concentração como Treblinka e Auschwitz.




Alguém poderia esclarecer para esta "iluminada“ que os citados campos e suas vítimas não podem JAMAIS ser comparados com presídios, pois lá estavam INOCENTES, crianças, velhos, homens e mulheres indefesos; pessoas que cometeram o "crime hediondo“ de ter o sangue judeu. 

Esta comparação esdrúxula é abjeta, pois por pior que seja um presídio (local para criminosos - se ela ainda não sabe) ele não encontra equivalência alguma com locais de extermínio judeu mantidos pelos desprezíveis nazistas.


Da próxima vez, a zelosa humanista de araque poderia visitar, por exemplo, as famílias dos policiais executados no Rio de Janeiro e que nenhum de seus pares saiu para averiguar se precisam de um pão, ou um simples remédio. Ou quem sabe, minha senhora, poderia visitar os funcionários públicos cariocas que estão há meses sem receber seus salários, vivendo na penúria, pois os políticos que a senhora defende arruinaram o estado do Rio de Janeiro e o Brasil.

Mas, como a hipocrisia impera em sua casta, se preferir pode visitar um presídio mesmo, visite o ex-governador Sérgio Cabral e cobre dele o que ele roubou, para depois levar aos seus protegidos, mas não faça comparações estapafúrdias que só mostram seus valores deturpados, sua ignorância e seu antissemitismo. 

(Texto de Claudia Wild)
da RedaçãoJORNAL DA CIDADE ONLINE

Coronel da Força Aérea é morto durante tentativa de assalto no Túnel Marcelo Alencar

Créditos: Igor Ricardo
Carro de vítima de tentativa de assalto no Túnel Marcelo Alencar
RIO - Um coronel da Força Aérea Brasileira (FAB) foi morto durante uma tentativa de assalto no início da manhã desta quarta-feira, dentro do Túnel Marcelo Alencar. De acordo com as primeiras informações, a vítima, que foi identificada como Ialdo Pimentel, foi baleado quando seguia pela pista sentido Rodoviária Novo Rio.
Ainda segundo a polícia, o coronel, que estava acompanhado da mulher, teria se assustado no momento em que foi abordado pelos bandidos e acelerou o veículo. Segundo uma testemunha, os criminosos teriam atirado três vezes contra o veículo. A mulher do coronel não ficou ferida.
- Ele era uma pessoa muito querida. Neste momento, preciso ser forte, porque temos uma filha que era muito ligada a ele. Semana que vem é aniversário dela e íamos viajar juntos, mas infelizmente aconteceu isso. Estávamos casados há mais de 40 anos. Não quero entrar em detalhes. Eu só quero ser forte neste momento e peço que vocês me respeitem - disse a viúva, que não quis ser identificada.
Policiais da Delegacia de Homicídios estão no local. Eles isolaram a área para o trabalho de perícia. O corpo foi encontrado dentro de um carro e foi levado para o Instituto Médico Legal (IML).
A Polícia Civil já está com imagens do momento do crime. A principal hipótese para o crime é de latrocínio (roubo seguido de morte).
Ainda não há informações sobre o enterro da vítima.

Uruguai: após regulação da maconha, mortes por tráfico chegam a zero

A afirmação é do secretário nacional de drogas do Uruguai, que participou nesta segunda-feira (2) de debate na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado

Por Vinicius Gomes
Nesta segunda-feira (2), durante debates na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado a respeito de regulamentação da maconha para uso recreativo, medicinal e industrial, o secretário nacional de drogas do Uruguai, Julio Heriberto Calzada, afirmou que seu país – o único no mundo a legalizar o cultivo, a comercialização e distribuição da maconha – conseguiu reduzir a zero o número de mortes ligadas ao uso e ao comércio da droga. A legalização foi decretada pelo presidente José Mujica há menos de um mês.
Ainda que reconhecendo que a legalização da maconha possa elevar o número de usuários, Calzada alega que “vale a pena correr o risco do aumento, desde que reduza o aumento de mortes pelo tráfico de drogas”, como relatou o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), coordenador da discussão sobre o tema na CDH. O senador ainda diz que, antes de apresentar seu relatório aos integrantes da comissão, ele pretende realizar audiências com especialistas de diversos setores. Para o senador, a responsabilidade de o relatório estar em suas mãos é um “abacaxi”: “Gastei muitos anos de vida para ser o senador da educação. Não quero o carimbo de ‘senador que liberou a maconha’. Se tiver de colaborar para isso, salienta, será por “uma obrigação histórica”, da qual não possa correr, como explicou em entrevista concedida à Agência Senado na quinta-feira (28).
Mesmo assim, o senador ressaltou que uma das maneiras de se livrar do tráfico de drogas é a regulamentação: “Vamos continuar vivendo com tráfico de drogas? Não. Como vamos nos livrar do tráfico? Uma das propostas que têm hoje é a regulamentação”. Além disso, o representante uruguaio também disse acreditar que a “combinação com outras ferramentas de política pública, em aspectos culturais e sociais, poderá modificar padrões de consumo e levar ao êxito na redução de usuários”.
Na audiência pública de ontem, a maioria das vozes era contrária à aplicação da experiência uruguaia no Brasil. Luiz Bassuma, ex-deputado federal, apontou que a atual população do Uruguai, em sua totalidade, provavelmente corresponde ao mesmo número de usuários de drogas no Brasil, cerca de três milhões. Bassuma argumentou que a facilitação do consumo de drogas refletiria diretamente em crianças e adolescentes e disse que regulamentar seu uso – mesmo em nome do fim da guerra contra o narcotráfico que clama a vida de milhares de pessoas todos os anos – seria incorreto.
Segundo a presidenta da CDH, senadora Ana Rita (PT-ES), a sugestão apresentada por meio de iniciativa popular foi apoiada por cerca de 20 mil pessoas em nove dias. Se tiver apoio dos parlamentares, a proposta pode ser convertida em projeto de lei. Nessa terça-feira (3), Calzada participou do seminário “Drogas: A experiência do Uruguai, um caminho fora da guerra”, em Porto Alegre.
Sobre o tema, Lê também