terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Unidades em Uberlândia, Itabirito e Manhumirim vão abrir 372 vagas em mais uma ação para aliviar sistema prisional



Apac de Itabirito terá 84 vagas, com previsão de inauguração neste ano

A Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) garantiu a retomada das obras de três Centros de Reintegração Social (CRS) de Associações de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac’s), com a destinação de aproximadamente R$ 5 milhões em recursos do Governo do Estado nos últimos dois meses de 2015.

Foram R$ 3,2 milhões para o centro de Uberlândia, com 208 vagas projetadas; R$ 931 mil para o de Itabirito, com 84 vagas; e R$ 874 mil para o de Manhumirim, com 80. Em meados de 2015, havia sido reiniciada a construção do CRS de Alfenas (120 vagas), com a liberação de R$ 1,38 milhão.

Os empreendimentos, que deverão ser concluídos em 2016, empregam mão de obra de presos. Atualmente, são cinco em Uberlândia. Em Manhumirim, a Apac vai engajar mais três ou quatro detentos, além dos dois que já estão trabalhando, tendo em vista o aumento do ritmo de construção.
A presidente da Apac Manhumirim, Renata Freitas, diz que a liberação dos recursos para a conclusão do CRS tornou realidade um projeto que mobilizou muitas pessoas e instituições da cidade.

“Há 12 anos que eu venho lutando para implantação da Apac aqui em Manhumirim. A sociedade sempre apoiou a causa e agora está muito satisfeita em ver que, finalmente, o projeto está sendo concretizado. As pessoas compreenderam que o método Apac é muito mais eficiente na recuperação daqueles que cometem algum delito. Eu fico muito feliz e acredito que a cidade só tem a ganhar com essa nova unidade, que vai ajudar também a aliviar o sistema prisional”, diz Renata.

O CRS de Manhumirim fortalece a presença do Método Apac na região.  Estão em atividade os centros de Manhuaçu, com 124 vagas, de Caratinga, com 120, e de Inhapim, com 30.

Método

As Apac’s são organizações da sociedade civil sem fins lucrativos de base municipal que auxiliam a Justiça na execução das penas de privação de liberdade. São filiadas à Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (Fbac), instituição responsável por orientar, fiscalizar e zelar pela unidade e uniformidade na aplicação do Método Apac de recuperação.

Obras empregam mão de obra de presos - Crédito: Oswaldo Afonso

O Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), firma convênios com as Apac’s para repassar recursos para a construção e manutenção dos Centros de Reintegração Social (CRS’s), bem como para apoiar o funcionamento da Fbac.

Atualmente, existem convênios de manutenção em vigor, com 38 Apac’s, que somam perto de 3 mil vagas para condenados. Em 2015, os repasses da Seds com essa finalidade somaram cerca de R$ 31 milhões, com a assinatura de novos convênios que permitiram o início das atividades de cinco CRS’s, somando 263 vagas, distribuídas pelas Apac’s de Araxá, Patos de Minas, Salinas, São João Del Rei e Timóteo.   

Fonte: Agência Minas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Os comentários postados pelos leitores deste blog correspondem a opinião e são responsabilidade dos respectivos comentaristas leitores e não correspondem, necessariamente, a opinião do autor deste blog.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.