segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Agentes penitenciários de MS criam 'engenhoca' para vistoriar local difícil

Equipamento tem câmera de infravermelho que é conectada a monitor.
Responsável diz que vão aprimorar para ser usado em locais molhados.

Agentes conseguem ter acesso a espaço entre telhado e laje (Foto: Divulgação/ Agepen)
Agentes conseguem ter acesso a espaço entre
telhado e laje (Foto: Divulgação/ Agepen)

Dois agentes penitenciários do Estabelecimento Penal Jair Ferreira de Carvalho, o Segurança Máxima de Campo Grande, usaram a tecnologia e a experiência do dia a dia para criar um equipamento que ajuda a vistoriar lugares de difícil acesso como espaço entre o telhado e a laje.
A invenção foi montada utilizando uma câmera de infravermelho, do sistema de videomonitoramento da unidade prisional, presa a uma haste de madeira e conectada a um monitor portátil que serve de visor.
Segundo o diretor da penitenciária, João Bosco Correia, somente na primeira vistoria com o auxílio da “engenhoca” foram apreendidos 15 celulares, 65 porções de drogas, sete chips, três roteadores, dois cartões de memória e uma balança de precisão.
A ideia surgiu com o servidor Dirceu Belmar Monis que pensava uma estratégia para vistoriar lugares de difícil visualização. Até então utilizavam espelho e lanternas que não eram tão eficientes. Primeiro, Monis comprou, por conta própria, uma câmera para fazer o teste. Otimista com o resultado, procurou o responsável pelo sistema de videomonitoramento que topou o desafio.
Responsável pelo sistema de monitoramento de câmeras, Abraão Rodrigues de Paula, ressaltou que ainda está buscando aperfeiçoar o equipamento. O próximo passo é reduzir o tamanho do equipamento para acessar mais estreitos. Além disso, os agentes também estudam uma forma de acessar locais molhados.
Primeiro passo
Monis é servidor de carreira há 10 anos. O agente contou que sempre buscou melhorar as revistas. O primeiro passo da invenção foi dado quando trabalhava no Estabelecimento Penal de Paranaíba, região leste de Mato Grosso do Sul, e idealizou um equipamento que na época batizaram de “pescador”.

Era um tipo de anzol usado para busca de objetos e materiais proibidos escondidos em vasos sanitários. A invenção é usada até hoje na unidade prisional e já auxiliou em apreensões de quatro aparelhos celulares, quatro carregadores e três fones de ouvido realizada no presídio do interior no último dia 1º de setembro.
FONTE: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Os comentários postados pelos leitores deste blog correspondem a opinião e são responsabilidade dos respectivos comentaristas leitores e não correspondem, necessariamente, a opinião do autor deste blog.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.