domingo, 30 de agosto de 2015

O dia em que Pablo Escobar zombou dos Estados Unidos e tirou esta foto

O traficante mais procurado do mundo visitou Washington, tirou uma foto em frente à Casa Branca, foi à sede do FBI e voltou para casa


O traficante com o filho Juan Pablo em frente à Casa Branca, em 1981.
Sobre Pablo Escobar, histórico traficante colombiano, falou-se e escreveu-se tanto que há muito tempo o personagem superou a pessoa na vida real. O chefe do cartel de Medellín, que chegou a ser deputado da Colômbia e a ameaçar o Governo, foi tema de filmes, documentários e livros. Parece que sempre há algo mais para ser contado e, em situações como esta, o mais interessante ainda estava por ser revelado. E é trazido à tona por seu filho, Juan Pablo Escobar, no livro Pablo Escobar, Meu Pai,  que ele vem lançar no Brasil nesta semana.
O livro descreve a trajetória do traficante de drogas colombiano. Primeiro, através das memórias de seu filho durante a infância e depois mediante uma extensa pesquisa. Na primeira parte, relativa à infância de Juan Pablo, o autor recorda como cresceu em um contexto criminoso:
Meu pai era o chefe do cartel de Medellín. Seus melhores amigos eram os piores criminosos da Colômbia. E como não deixavam nenhum menino brincar comigo, passava os recreios e as tardes com os homens de meu pai.
Foi nessa época –fim dos anos setenta e começo dos anos oitenta— quando Pablo Escobar se aproximou do auge de seu poder e fortuna. Seu filho relata no livro que tinha tanto dinheiro que não sabia o que fazer com ele. E nas pinhatas (tradição ibérica conhecida no Brasil por quebra-panela ou quebra-pote) das festas de aniversário, por exemplo, em vez de doces, o traficante colocava maços de dinheiro. Naquela época decidiu construir a Hacienda Nápoles, a mansão na qual tinha elefantes, avestruzes, rinocerontes, girafas e todo tipo de animais silvestres, além de uma coleção de carros esportivos e outra de motos, dois jatos e dois helicópteros.
Escobar trazia três aviões por semana vindos do Peru carregados de pasta base de coca e enviava muitos outros aos Estados Unidos quando a droga estava sintetizada. Os lucros eram ilimitados. A cocaína, segundo relata o livro, ia em fardos através de barcos pesqueiros que chegavam em Miami ou em aviões que lançavam a carga em pântanos da Flórida. O filho de Escobar faz uma revelação surpreendente: afirma que o contato do cartel para vender a cocaína nos Estados Unidos era o cantor Frank Sinatra, que foi muitas vezes associado à máfia italiana.
A insaciável atividade da organização de Escobar enlouqueceu aDrug Enforcement Administration (DEA), a agência antidrogas norte-americana. Sem ainda os meios atuais para combater um fenômeno recente e relativamente desconhecido, Escobar –como recorda seu filho no livro— se orgulhava de brincar com as autoridades. Em uma ocasião a DEA interceptou uma remessa de calças jeans impregnadas de cocaína. O traficante continuou enviando nos meses seguintes as mesmas calças sem a droga, apenas para que toda semana os agentes tivessem que registrar as peças.
Para coroar tudo isso, em 1981 Escobar iniciou uma série de viagens a Miami para supervisionar pessoalmente o negócio e comprar propriedades na cidade. “O mais incrível –conta seu filho— é que meu pai entrava nos Estados Unidos sem se esconder. Chegava na alfândega, mostrava seu passaporte e lhe diziam ‘bem-vindo aos Estados Unidos senhor Escobar’. Em quase todas as viagens o traficante carregava centenas de milhares de dólares que jamais foram apreendidos. A DEA buscava desesperada o responsável das remessas enquanto Escobar entrava e saía da Flórida como se estivesse em sua casa.
Nessas viagens, como o filho conta no livro, era acompanhado às vezes pelo pequeno Juan Pablo. Em uma das escapadas visitaram a Disney e em outra ocasião decidiram conhecer Washington DC, o epicentro das agências que o procuravam. Viajaram Escobar, sua mulher e o pequeno Juan Pablo. Os três passearam por Washington e visitaram a Casa Branca. Era o ano de 1981. Foi naquela viagem que María Victoria, sua esposa, tirou a histórica fotografia. Pablo Escobar e seu filho se posicionaram no portão como outros turistas e posaram em frente à casa do presidente Ronald Reagan. Com a maior naturalidade. Depois continuaram o passeio. E não para qualquer lugar: Escobar decidiu visitar o edifício da sede do FBI. Nessa ocasião, como lembra Juan Pablo no livro, o traficante optou por usar um documento falso. Mas o filho e a mulher entraram com suas identidades autênticas. Os três fizeram a visita guiada e foram embora. O traficante mais procurado do mundo visitou Washington, tirou uma foto em frente à Casa Branca, foi à sede do FBI e voltou para a casa sem maiores problemas. Um gesto épico que alimenta ainda mais sua lenda.
Após a viagem sua figura se consolidou. Escobar se tornou um dos homens mais poderosos da Colômbia: controlava 80% do tráfico de cocaína do mundo, entrou para a política e ampliou suas exportações para a Europa. Adivinhem com quem seus homens tiveram reuniões para introduzir a cocaína na Europa? Sim, com os clãs galegos, principalmente com Sito Miñanco, seu alter ego em miniatura na Galícia. Em 1984 houve uma freada brusca depois do assassinato do ministro da Justiça colombiano, Rodrigo Lara, por pistoleiros de Escobar. O Governo declarou guerra contra os cartéis e seus dirigentes fugiram. Os líderes de Medellín se instalaram na Espanha, enquanto Escobar recebeu abrigo na Nicarágua. Todos retornaram depois de alguns anos à Colômbia, e continuaram suas atividades. No entanto, com a guerra declarada do Governo e com os Estados Unidos irritados por não terem conseguido a extradição do traficante, a impunidade de Escobar se viu reduzida. E capítulos da lenda como tirar uma foto em frente à Casa Branca não voltaram a se repetir.
Pablo Escobar morreu em 1993 depois de um tiroteio com o Exército em Medellín. A família afirma que o traficante se suicidou, mas a versão oficial diz que Escobar foi morto. A foto da Casa Branca, porém, já é eterna e não é contestada. Uma imagem lendária. Em termos cibermodernos, talvez a maior trollada já realizada. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Os comentários postados pelos leitores deste blog correspondem a opinião e são responsabilidade dos respectivos comentaristas leitores e não correspondem, necessariamente, a opinião do autor deste blog.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.