segunda-feira, 16 de junho de 2014

The New York Times destaca trabalho de presos de Minas Gerais

Hugo Alves costumava jogar futebol profissional para ganhar a vida. Ele permanece ligado ao esporte, mas não da maneira que pretendia. Agora, seu uniforme é composto por uma camiseta e calça vermelha, e ele faz bolas de futebol em uma fábrica na prisão."Eu prefiro jogar com as bolas do que fazê-los", disse Alves, 31, que está cumprindo uma sentença de cinco anos por tráfico de drogas. Ele acrescentou com uma risada triste: "Estou no mesmo campo, pelo menos."Alves é um dos 80 presos que fazem bolas de futebol no de segurança máxima Nelson Hungria Penitenciária, perto da cidade do sudeste de Belo Horizonte, uma das 12 cidades-sede da Copa do Mundo no Brasil.A fábrica de bola de futebol fica dentro de um edifício de blocos de concreto com um telhado de metal, localizado dentro de altos muros da prisão e rodeado por uma cerca de arame encimado por arame farpado. Quarenta detentos trabalham oito horas por dia, cinco dias por semana, fazendo as bolas. Outros 40 prisioneiros trabalhar a partir de suas células costurando o revestimento externo de bolas em um processo de fabricação diferente.
 A fábrica abriu em 2011 como parte de um esforço mais amplo de todo o Brasil para levantar a moral dos detentos, prepará-los para a vida após a prisão e reduzir a superlotação das prisões grave.Outros programas permitem que os presos federais para talhar dias de suas penas através da participação em programas de alfabetização, leitura de literatura clássica e escrever relatórios contábeis. Em uma prisão na cidade de Santa Rita do Sapucaí, os presos montar bicicletas ergométricas ligadas a baterias que fornecem energia suficiente para iluminar uma praça local.Na fábrica em Contagem, detentos fazem 400 bolas por dia, ganhando 543 reais (cerca de US $ 243) por mês. Um quarto dos que vai para o estado, 50 por cento vai para os presos e suas famílias, e um quarto vai para uma conta e é pago após a libertação. Um dia é derrubado penas dos detentos para cada três dias trabalhados.As bolas de prisão não são destinados para a Copa do Mundo. A bola oficial é feita no Paquistão para a Adidas para ser usado em todas as 64 partidas do torneio. Essa bola tem seu próprio nome, a Brazuca, junto com um milhão de seguidores no Twitter. Antes do torneio, o Brazuca foram submetidos a testes de controle de qualidade por mais de 600 jogadores profissionais e 30 equipes em três continentes.As bolas de prisão, que são feitas por uma empresa chamada Trivella, também são usados ​​por profissionais, mas muito menos visivelmente no campeonato estadual de Minas Gerais, onde a prisão está localizada. Eles também encontram uso em jogos recreativos da prisão e em jogos amadores de fora dos muros da prisão, bem como no Rio de Janeiro e São Paulo.


 Bolas feitas na fábrica da Trivella, construídos à mão e máquina, consistem de uma bexiga de látex enrolado com um forro de nylon e equipados com painéis de poliuretano que são moldadas termicamente e silk-screen com o logotipo da empresa e várias marcações.Em vários momentos do processo, peças de exterior mentira invólucro da bola em folhas, como biscoitos assados ​​e bexigas ficam pendurados em ganchos como melões.Os presos disseram que estavam orgulhosos de que as bolas foram usadas no campeonato profissional do Estado.Alguns brincou dizendo que a qualidade correspondeu ao Brazuca do."É a melhor bola", disse Alves, que disse ter jogado em ligas menores na Argentina, Itália e Peru.O trabalho bola de futebol está entre os mais valorizados de empregos de prisão, que são difíceis de encontrar em todo o Brasil. Somente 120 prisioneiros em quatro presídios do estado estão fazendo bolas, disseram autoridades.Alves disse que esperou mais de um ano para ser contratado.A maioria dos trabalhadores usam máscaras para se proteger contra os vapores de cola e outros produtos químicos. Por vezes são autorizados a enviar bolas para parentes e amigos. Graciano Antonio Barros da Mata, um dos funcionários da prisão, personalizado uma bola com o nome de seu filho de 14 anos de idade.A melhor coisa sobre o trabalho, da Mata e Alves disse, é que ele proporciona alívio do tédio da vida diária atrás das grades em um país onde as prisões são notórias para a violência endêmica e tratamento inadequado."É ótimo que sai da célula e vir aqui", disse da Mata, de 37 anos, que trabalhou por 16 meses na fábrica e está cumprindo oito anos por assassinato."O tempo passa mais rapidamente. Você parar de pensar em coisas ruins. "Neste país consumiu-futebol, para um pequeno número de prisioneiros, o alcance do esporte nacional se estende até mesmo aos esforços de reforma do sistema prisional."Você pega algo que é uma prática cotidiana no Brasil, o futebol, e você associá-lo com esta questão social, a questão do sistema prisional, que por muitos anos foi esquecida e agora veio à tona, e você ligá-lo ao trabalho de presos ", disse Murilo Andrade Oliveira, o secretário de administração penitenciária para Minas Gerais. "É fantástico que nós podemos participar um pouco da vida do país, que é a este respeito para o futebol."Os críticos dos programas de trabalho de prisão dizem que os presos são vulneráveis ​​a serem explorados como mão de obra barata e que a fabricação de bolas de futebol não prepará-los para a vida do lado de fora."Emprego prisões fora fazendo bolas de futebol não existem", disse Luis Carlos Valois, um juiz criminal sênior no estado do Amazonas. "A empresa beneficia muito, é claro. As condições dentro das prisões são muito ruins, eo prisioneiro média é de pobres e vulneráveis. O que quer que estas empresas oferecem o prisioneiro, eles vão dizer que sim. A empresa está negociando a miséria. "As condições das prisões brasileiras têm sido um grave problema nacional. O país tem cerca de 550 mil presos, 66 por cento mais do que as prisões foram construídas para a casa, incluindo cerca de 175.000 em prisão preventiva, de acordo com um relatório de 2013 pelo Human Rights Watch. Taxa de encarceramento do país aumentou cerca de 40 por cento nos últimos cinco anos, segundo o relatório.Pelo menos um conhecido prisioneiro trabalhou fazendo bolas de futebol na Penitenciária Nelson Hungria. Ele é de Bruno Fernandes, 29, um ex-goleiro e capitão da equipe célebre Rio Flamengo e uma vez que um candidato para fazer equipe da Copa do Mundo do Brasil. No ano passado, ele recebeu uma sentença de prisão de 22 anos por ter ordenado o assassinato de uma ex-namorada em um caso escabroso que recebeu atenção generalizada.A promotoria disse Bruno orquestrado o assassinato para evitar o pagamento de pensão alimentícia. O corpo de sua namorada não foi recuperado e foi relatado para ter sido ingeridos por cães. Ele está preso desde 2010, em conexão com um seqüestro relacionado.Sob uma lei brasileira que visa reintegrar os presos à sociedade, embora, Bruno assinou um contrato com um time da segunda divisão em Minas Gerais e está buscando para jogar novamente em um programa de liberação do trabalho. Um juiz negou o seu pedido inicial há vários dias. Mas de Bruno em breve será transferido para um presídio mais próximo da equipe e espera-se mais uma vez para tentar retomar sua carreira.No escritório da fábrica de Tarcisio R. Cruz, o presidente da empresa Trivella propriedade familiar, bolas de futebol e vôlei linha das prateleiras. A empresa construiu a fábrica e presta os serviços públicos, mas poupa em salários, horas extras e os impostos que teriam de ser pagos no emprego mais convencional. E ele não tem que pagar o chamado 13 º salário, um bônus generalizado dada a trabalhadores brasileiros que equivale a salário de um mês.Trivella faz cerca de 190 mil dólares por mês com a venda de suas bolas de futebol - todos os quais são feitos na prisão - com menos de US $ 20.000 em custos mensais da folha de pagamento, disse Cruz. Ele disse que não acreditava que ele estava explorando os prisioneiros."Esses trabalhadores são 10 vezes melhor do que os trabalhadores do lado de fora", disse Cruz. "Eles estão com medo de perder seus empregos. Eles têm uma grande vontade de trabalhar. Nunca há um único problema. "


Tradução: Google tradutor 

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Os comentários postados pelos leitores deste blog correspondem a opinião e são responsabilidade dos respectivos comentaristas leitores e não correspondem, necessariamente, a opinião do autor deste blog.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.