quinta-feira, 1 de maio de 2014

Suspeito de ter feito vídeo de Dirceu na Papuda é casado com apresentadora da CBN




Assessor do PPS é suspeito de ter feito vídeo de Zé Dirceu na Papuda






 Bastaram alguns minutos após o término da visita da comitiva formada por integrantes da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) ao presídio da Papuda para que a Folha de S. Paulo publicasse em seu site um vídeo com imagens de José Dirceu. O grupo não tinha, no entanto, a autorização judicial para fazer as imagens. Ou seja, a produção das imagens constitui-se um crime.
“A juíza da Vara de Execuções Penais, Débora Valle de Britto, não permitiu que fossem feitos vídeos. Por conta disso, todos os assessores ficaram aguardando do lado de fora, não tiveram acesso à cela em que Dirceu estava. Exceto um, que não ficou e acompanhou. É o mesmo que não estava relacionado para fazer a visita”, relata o deputado Nilmário Miranda (PT-MG), membro da comitiva. Ele se refere a William Pereira Dos Passos, assistente técnico da liderança do PPS. “Era a única pessoa que estava lá – não deveria estar – e que não aparece no vídeo. Todos os demais aparecem”, acrescenta Nilmário.
Questionado sobre o caso, William inicialmente limitou-se a dizer que não sabia do que se tratava. Em uma segunda ligação, confirmou que esteve na comitiva na companhia do deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA), mas recusou-se a responder se esteve ou não dentro da cela onde Dirceu foi filmado. “Eu sou só o assessor, quem responde pela comitiva é o deputado”, disse William, que negou ter feito o vídeo – “pergunte ao repórter da Folha”.
“Nós repudiamos a gravação clandestina, a CDHM é uma instituição séria que não pode ser maculada por uma pessoa que se propõe a fazer isso”, acrescenta Nilmário. Além dos deputados de PT e PPS, estiveram presentes na comitiva Luiza Erundina (PSB-SP), Jean Wyllys (PSol-RJ) e Mara Gabrilli (PSDB-SP) – esta última não é integrante da comissão, mas pediu para integrar a comitiva com o objetivo de verificar as condições de acessibilidade do presídio.
Na saída, contudo, Gabrilli deu entrevista aos meios de comunicação que esperavam na porta. “A cela dele é iluminada, ampla, o tipo de material do beliche é diferente, tem televisão, tem micro-ondas”, relatou a deputada, sobre a cela de José Dirceu. A declaração causou estranheza a Jean Willis, que disse à blogueira Cynara Menezes, do Socialista Morena: “Na minha opinião, infelizmente a Mara e o Jordy resolveram partidarizar a questão. A Mara foi enfática ao dizer aos jornalistas que a cela de Dirceu é ‘ampla e iluminada’, sendo que nem pôde entrar no local, porque a cadeira de rodas não permitia a passagem”. E ainda: “Respeito muito a Mara, mas ela não visitou a cela. Acho estranho afirmar categoricamente uma coisa sem ter entrado. Ficou na porta.”
No final da tarde desta quarta-feira (30), a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara  oficiou a juíza Débora Valle de Brito. “Repudiamos a gravação clandestina, feita à revelia da orientação da CDHM, ardil que, além de violar a ordem dessa VEP [Vara de Execuções Penais], violou a intimidade do um preso”, diz o documento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Os comentários postados pelos leitores deste blog correspondem a opinião e são responsabilidade dos respectivos comentaristas leitores e não correspondem, necessariamente, a opinião do autor deste blog.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.